Jornal diario
  • Grupo Oriental  

  • Grupo Central  

  • Grupo Ocidental  

PESQUISAR

RSS
Director: Pedro Botelho pedrobotelho@jornaldiario.com AÇORES traco SÁBADO traco 16 DE DEZEMBRO
Publicidade
Opinioes
Mais Opinões
Publicidade
Empresas Comunidade soliária
Portais Universos Blogs
Publicidade
Uma questão de qualificação
Artigos anteriores
Ver outros cronistas »
Crónica do Director

Uma questão de qualificação

Os Açores estão hoje claramente na moda. O sector turístico é hoje uma das principais alavancas da actividade económica na Região, registando-se a chegada, semana após semana, de milhares de turistas às nossas ilhas.

Quem nos visita vem sedente de apreciar a nossa paisagem, mas também de conhecer as nossas tradições, a nossa cultura, a nossa gastronomia, enfim, os nossos costumes.

Para isto, procuram perceber o que por cá se passa, o que já se passou, recorrendo para isto a excursões, ou tão somente ao apoio concedido pelas entidades ligadas ao turiso na Região.

Verdade seja ditam os nossos serviços a este nível têm vindo a evoluir ao ritmo do crescimento que se tem verificado no sector turístico, mas a verdade é que há ainda muito a fazer e a melhorar, nomeadamente ao nível da inicitiva privada, particularmente em hotéis e restaurantes.

Ainda há poucos dias tive oportunidade de assistir a algo que me deixou estupefacto. Um determinada unidade hoteleira na cidade de Ponta Delgada resolveu “brindar” os seus hóspedes com um espectáculo de folclore após o jantar, numa sala que se enconbtrava repleta de turistas de várias nacionalidades.

À partida, a realização merceu-me os maiores elogios. Dar a conhecer uma das nossa tradições, porém, a estupefacção veio quando a dado ponto alguém do grupo folclórico resolveu explicar a razão dsa danças, as letras e os trajes, tendo-o feito tudo em português, com os estrangeiros a olharem para a senhora com cara de como quem diz “mas que raio estão tu a dizer?”.

Não percebi tamanho disparate. Até posso admitir que os elementos do grupo folclórico não saibam expressar-se, pelo menos em inglês, mas então não devia haver alguém do hotel a fazer a tradução? Não será um requisito para trabalhar numa unidade hoteleira saber falar, pelo menos, o inglês?

Enfim, sei que levei com toda aquela história e os estrangeiros nada perceberam... Pergunto, falta ou não ainda muita qualificação a quem está a trabalhar na área do turismo? Há falta, embora também seja justo dizer que não se pode generalizar, até porque há quem preste um serviço de verdadeira qualidade.

2016-05-22 09:12:00

Imprimir notícia