Jornal diario
  • Grupo Oriental  

  • Grupo Central  

  • Grupo Ocidental  

PESQUISAR

RSS
Director: Pedro Botelho pedrobotelho@jornaldiario.com AÇORES traco SEGUNDA-FEIRA traco 22 DE MAIO
Publicidade
Opinioes
Mais Opinões
Publicidade
Empresas Comunidade soliária
Portais Universos Blogs
Publicidade
“Amigos de Conveniência”
Artigos anteriores
Ver outros cronistas »
Opinião

“Amigos de Conveniência”

“E que fama pode haver mais vergonhosa que parecer ter em maior conta o dinheiro do que os amigos?” Essa é uma interrogação clássica de um texto de Platão num diálogo com Sócrates, o verdadeiro, não o apócrifo que foi demitido de primeiro-ministro de Portugal. Esse clássico da filosofia grega, por certo agora sob estudo de Sócrates, agora sim o “falso” e noviço estudante universitário de filosofia algures por Paris, é uma interpelação também ao futuro da União Europeia e das nossas alianças. Com efeito, que “amigos” europeus e americanos serão esses que, afinal, prezam mais o vil metal do que a solidariedade europeia e transatlântica? Que “amigos” são esses, como Obama, que em defesa dos seus males invocam a desdita alheia e com soberba afirmam que eles, os Americanos, “não são nem a Grécia nem Portugal”? No mesmo texto o verdadeiro Sócrates responderia que as pessoas sensatas hão-de compreender que as coisas se passaram, e são, como efectivamente são. Como há que identificar um “bode expiatório”, para diabolizar e distrair, agora lembraram-se das agências de rating! Não são novidade e algumas como a “moody’s” são centenárias! A análise de rating é basicamente uma probabilidade de risco de insolvência do devedor ou do risco de incumprimento das suas obrigações. Logo, quando se baixa o rating de uma entidade tal significa um sinal de alerta quanto à situação financeira da mesma e uma clara orientação para os respectivos credores. Estes, por esta análise, fazem a sua própria análise de risco e a partir de um nível “tóxico” de rating, quando este está tão baixo que vale “lixo”, há colateralmente uma quebra de financiamento porque já não há juro que compense o risco e, ao mesmo tempo, a remuneração de juros mais elevada é também incomportável para os devedores. Aí o sinal amarelo tinge-se de tons carregados de um alerta vermelho de bancarrota. E a credibilidade destas agências? A questão é posta do lado do paradigma do lado negro como se fosse possível tomar o todo pela parte. Com a falência de um dos maiores bancos americanos, e o descrédito do “subprime”, o rating também entrou em crise porque apesar da classificação máxima de rating o banco, no caso o Lehman Brothers”, faliu! Mas a taxa de falha de uma das maiores agências de rating, a já diabolizada “moody's”, é inferior a 1 %! A conclusão é óbvia: são credíveis mas falíveis. Esse é um dos lados da moeda de risco que representa o capitalismo. Mas aqui, entra ainda o factor adicional de uma conduta perversa e gananciosa. Presume-se agora, com algum fundamento, que as maiores empresas de rating continuaram a conceder ratings máximos mesmo sabendo da crise imobiliária. Aqui já não tratamos de uma opinião técnica mas de uma conduta criminosa pois esse falso diagnóstico tem impacto em toda a economia e, sobretudo, na determinação dos juros exigidos pelos credores para emprestar dinheiro a qualquer entidade, ou sequer a determinação para o emprestar. Mas, nisto do capital não há “amigos” mas apenas credores e devedores e a solidariedade política termina onde se acaba o crédito. Independentemente do rating, no caso Português, o que todos pressentimos é que o Estado, com anos de Sócretismo em particular, gastou acima das suas possibilidades, hipotecou o que tinha, e assumiu compromissos para além da sua dimensão. Não é preciso um rating para se perceber que, mais cedo ou mais tarde, os “homens de fraque” nos vinham bater à porta. Neste cenário resta a esperança de que com seriedade se possa inflectir este rumo. A expectativa sobre o futuro da União é obviamente preocupante pois com estas “amizades” de conveniência o rating político da união europeia vale muito pouco. Caberá à conformação da Economia, pela sua “mão invisível” ou pela via “reformista”, reestruturar não apenas as dívidas mas também as prioridades dos Estados e dos Cidadãos. Como está não teremos sequer de futuro “amigos”, germânicos ou outros, dispostos a emprestar “dinheiro”. Optando antes pelo opróbrio da má fama da avareza, mas salvando-se da falência por contaminação.

joaonuno@jornaldiario.com

2011-08-01 08:27:04

Imprimir notícia