Jornal diario
  • Grupo Oriental  

  • Grupo Central  

  • Grupo Ocidental  

PESQUISAR

RSS
Director: Pedro Botelho pedrobotelho@jornaldiario.com AÇORES traco DOMINGO traco 25 DE JUNHO
Publicidade
Opinioes
Mais Opinões
Publicidade
Empresas Comunidade soliária
Portais Universos Blogs
Publicidade
40.500 toneladas de resíduos valorizadas
Ambiente
Ambiente

40.500 toneladas de resíduos valorizadas

O Encaminhamento de resíduos urbanos para valorização aumentou, em 2015, para 31% nos Açores.

O director regional do Ambiente revelou, na Horta, que o encaminhamento de resíduos urbanos para operações de valorização aumentou de 13%, em 2012 para 31% em 2015, com a consequente redução da eliminação em aterro de 87% para 69%.

“Em 2012, valorizávamos 18 mil toneladas de resíduos, o que correspondia a 13% da produção”, e no último ano foram valorizadas “quase 40.500 toneladas, 31% dos resíduos gerados”, destacou Hernâni Jorge na apresentação do Relatório de Produção e Gestão de Resíduos Urbanos de 2015.

O director regional salientou ainda a tendência de redução da produção verificada em 2014 e 2015, “em resultado de uma política pública de prevenção” prosseguida pelo Governo dos Açores.

Hernâni Jorge frisou que essa redução superou a meta prevista no Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores (PEGRA), cuja componente preventiva da produção de resíduos foi reforçada na actual legislatura com a entrada em vigor do PEPGRA.

Assim, em 2015, a produção de resíduos urbanos nos Açores correspondeu a 131 mil toneladas, claramente abaixo da estimativa do Plano de 140 mil toneladas.

Por outro lado, o director regional adiantou que vai ser desenvolvida uma campanha de sensibilização em todas as ilhas, com a distribuição de dois panfletos.

Um dos panfletos tem o objectivo de promover a reutilização de roupa usada e o outro a separação dos resíduos biodegradáveis e da biomassa vegetal/florestal por parte dos cidadãos, através de entregas nos Centros de Processamento de Resíduos (CPR) da Região.

A isenção do pagamento de taxas de entrega de bio-resíduos e de biomassa vegetal nos CPR para as pessoas singulares e a campanha que se inicia na próxima semana têm o objectivo de incentivar também o recurso à compostagem e evitar o elevado encaminhamento desses resíduos para pontos de recolha destinados a indiferenciados.

Questionado pelos jornalistas, Hernâni Jorge afirmou que, apesar da evolução muito positiva, ainda há “um longo caminho a fazer para que em 2020 consigamos alcançar as metas a que nos propusemos”, considerando que “todos podemos fazer mais”.

Nesse sentido, frisou o compromisso dos municípios que ainda não têm sistemas de recolha selectiva de recorrerem aos fundos do programa operacional para a sua implementação, constituindo-se também como um desafio, para os restantes, a constante melhoria desses sistemas.

Os Açores pretendem, até 2020, enviar para reutilização ou reciclagem, pelo menos, 50% dos resíduos urbanos, incluindo papel, cartão, plástico, vidro, metal, madeira e resíduos biodegradáveis, tendo atingido 24,4% em 2015.

JornalDiario

2016-06-08 11:00:00

Imprimir notícia