Jornal diario
  • Grupo Oriental  

  • Grupo Central  

  • Grupo Ocidental  

PESQUISAR

RSS
Director: Pedro Botelho pedrobotelho@jornaldiario.com AÇORES traco QUARTA-FEIRA traco 26 DE ABRIL
Publicidade
Opinioes
Mais Opinões
Publicidade
Empresas Comunidade soliária
Portais Universos Blogs
Publicidade
Desemprego nos Açores<br> situa-se nos 11%
Polí­tica
Polí­tica

Desemprego nos Açores situa-se nos 11%

Neste momento, a taxa de desemprego no Arquipélago é a mais baixa dos últimos cinco anos.

O vice-presidente do Governo salientou, em Angra do Heroísmo, o facto de a taxa de desemprego nos Açores ter registado nova descida, situando-se agora nos 11%, “a mais baixa dos últimos cinco anos”.

Sérgio Ávila, que comentava, em conferência de imprensa, os dados do Inquérito ao Emprego hoje divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), sublinhou que se está perante o cumprimento de um compromisso, já que o Governo dos Açores definiu “como prioridade desta legislatura a criação de emprego e como principal desafio a redução do desemprego”.

“Cumprimos o nosso compromisso. Hoje, a taxa de desemprego é 31% mais baixa do que quando iniciámos este mandato e o número de açorianos desempregados é o mais baixo dos últimos cinco anos”, afirmou.

O vice-presidente acentuou também que, de acordo com o INE, há hoje mais 7.751 açorianos empregados e menos 5.713 açorianos desempregados do que no início da legislatura.

“Se tivermos em conta que o desemprego continuou a crescer até ao fim do primeiro trimestre de 2014, estes dados são ainda mais relevantes, já que, apenas entre o primeiro trimestre de 2014 e o segundo trimestre de 2016, a taxa de desemprego baixou de 18 por cento para 11 , ou seja, registou uma redução de 39, com mais 8.622 açorianos empregados e menos 8.380 açorianos desempregados do que no início de 2014”, frisou Sérgio Ávila.

Para o vice-presidente, estes são os resultados do “esforço do Governo dos Açores no planeamento e implementação de uma estratégia de promoção do emprego”, designadamente através da execução da Agenda Açoriana para a Competitividade Empresarial e Criação de Emprego.

“Mesmo quando alguns, de forma precipitada, duvidaram da sua eficácia, reafirmamos, na altura, que estávamos no caminho certo, como agora se comprova sem qualquer margem para dúvidas”, disse.

Sérgio Ávila sublinhou, por outro lado, que “os indicadores do INE confirmam também que a trajectória de redução do desemprego tem sido sustentável, consistente e estrutural, tendo em conta que, pelo oitavo trimestre consecutivo, se regista uma diminuição do desemprego face ao mesmo trimestre do ano anterior”.

O vice-presidente destacou o facto de “mais 1.991 açorianos terem conseguido emprego” entre o primeiro e o segundo trimestres deste ano, registando-se, no mesmo período, “menos 1.608 açorianos desempregados”, o que resultou numa redução, em apenas três meses, de 1% da taxa de desemprego, ou seja, de 12,4 para 11%.

“São, sem dúvida, resultados que confirmam a trajectória sustentada de redução do desemprego que temos vindo a seguir e que, sendo positivos e animadores, mais nos reforçam o empenho, a determinação e a vontade de incrementar ainda mais as políticas activas de criação de emprego, no sentido de que a diminuição do desemprego seja ainda mais acentuada”, afirmou Sérgio Ávila.

O vice-presidente, que recusou euforias, manifestou a satisfação do Governo por estes resultados, “uma satisfação tanto maior quanto temos a consciência da importância fundamental do contributo dos açorianos, no seu conjunto, que não desistiram perante as dificuldades, que não desanimaram, que lutaram”.

“Por outro lado, as medidas de apoio às nossas empresas, sobretudo viradas para estímulo à contratação, à rápida inserção no mercado de trabalho dos jovens e dos desempregados e ao reequilíbrio do mercado de trabalho, tiveram a resposta que o Governo dos Açores esperava dos nossos empresários”, acrescentou.

“Quando já pouco falta para se concluir esta legislatura e é tempo de balanços, a luta contra as adversidades que a conjuntura externa nos trouxe foi uma luta que exigiu o melhor dos Açorianos de boa-vontade, uma luta que congregou quem quis mesmo vencer, uma luta valeu e vale a pena travar", frisou Sérgio Ávila.

JornalDiario

2016-08-11 09:00:00

Imprimir notícia